ALASKAN MALAMUTE

O império das emoções

Origens

O Alaskan Malamute deve o seu nome a uma tribo de Inuits chamada Mahlemiut. Esta tribo vivia no Alaska, numa região apelidada de Kotzebue Sound, compreendida entre os rios Kobuk e Noatak, vivendo, essencialmente da pesca e da caça. As existências do cão e do Homem interpenetravam-se completamente. Os Mahlemiut tinham muito orgulho dos seus cães, famosos pela sua beleza e pelas suas características de força e resistência, possuindo condições únicas para a caça e o transporte e arrasto de cargas. Ter cães com estas características era vital. Os Inuits necessitavam de realizar grandes deslocações e migrações, nas mudanças de Estação, o que obrigava ao transporte de grandes cargas. Por outro lado, a comida nesta região era escassa, o que não permitia a existência de muitos cães. Por estas razões o Mahlemiut só podia ter um cão forte, robusto, capaz de arrastar grandes cargas, sem muito esforço. Para manterem e melhorarem os seus cães, ou seja, conseguirem uma raça forte, selvagem, com instinto de matilha, os Mahlemiut deixavam que as suas cadelas em cio fossem fecundadas pelos lobos árcticos. Mas se estas características eram fundamentais, o cão para desenvolver o papel que lhe cabia, na organização social, tinha, também, de ser dócil e controlável. Estes atributos só podiam ser gerados pela qualidade da relação do homem com o cão. Diz-se, inclusive, que nas noites frias, onde a temperatura chegava a atingir 60 graus negativos, os membros desta tribo dormiam encostados a vários exemplares desta raça, resistindo, assim, a essas condições adversas.

Alaska_WEB.jpg (10926 bytes)

Alaska-HiddenFalls_WEB.jpg (5990 bytes)

Três linhas de sangue estruturaram o desenvolvimento do Alaskan Malamute: a Kotzebue, a M`Loot e a Hinmann. As duas primeiras foram as mais importantes do ponto de vista quantitativo, não deixando no entanto de ser de realçar a influência qualitativa da última no desenvolvimento da raça.

A raça foi reconhecida pelo American Kennel Club (AKC) em 1935.

Os primeiros exemplares da raça Malamute inscritos no AKC pertenciam à linha Kotzebue. Esta inscrição permitiu a identificação de um conjunto de exemplares com características semelhantes, viabilizando-se, assim, o estudo do estalão e a criação de um grupo de referência para o reconhecimento da raça.
Estes exemplares eram, regra geral, de tamanho inferior aos descendentes da linha M`Loot, possuíam cabeças bem desenhadas e largas, com orelhas pequenas e bem inseridas, tórax robusto, patas traseiras com boa angulação e uma postura, em movimento, harmoniosa e elástica.

 


O esforço do AKC de incentivar o registo de exemplares permitiu a inscrição de alguns cães e o desenvolvimento da criação e selecção da raça, mas, constatou-se, posteriormente, no fim da Segunda Guerra Mundial, que existiam muito poucos Malamutes registados no livro oficial.
Para ultrapassar esta situação o AKC voltou a permitir inscrições, agora sujeitas à observância mais rigorosa de critérios de conformidade com a raça. Só puderam ser registados os exemplares que conseguiram dez pontos, ou seja, a pontuação necessária para se obter o titulo de campeão de beleza.

Foi neste segundo período que se registou um afluxo de exemplares da linha M`Loot ou M`Loot/Hinmann. A linha M`Loot caracterizava-se, em geral e quando comparada com a linha Kotzebue, por exemplares de grande tamanho, de cabeça estreita, focinho afiado, orelhas largas e de inserção mais alta, tórax estreito, patas traseiras pouco anguladas e uma postura, em movimento, mais rígida e em forma de salto.
No fim das inscrições, o grupo de Alaskan Malamutes inscritos apresentava, portanto, características diversificadas, o que iria permitir aos criadores a adopção de estratégias diversificadas de selecção e desenvolvimento da raça.

 


O Malamute, ao longo dos tempos, desempenhou diversas funções, exigidas pela sua integração na sociedade e pelo seu relacionamento com o homem. Entre elas destacam-se: cão de trenó, caçador de caribus, ursos e focas, acompanhando e interagindo, entre outros, com caçadores e pescadores, pesquisadores de ouro, exploradores e, desde o início do século XX, amantes das corridas de cães de trenó.
Independentemente das sucessivas tarefas que foram atribuídas ao Alaskan Malamute, este foi sempre confrontado com um clima agreste e com duras condições de existência o que, como é evidente, configuraram as características físicas e de carácter que identificam e distinguem o Malamute de outras raças, inclusive nórdicas, como o Siberian Husky e o Samoiedo.

gripp-1.jpg (11419 bytes) Glaciers_Storm_Kloud-1.jpg (16474 bytes)

Gripp of Yukon

O primeiro malamute registado

Glacier´s Stormkloud

O malamute mais famoso de sempre